28 de janeiro de 2013

Como namorar sem pecar ?

elenycesantos.blogspot.com


Namoro

Definição - Fase de conhecimento social e amoroso entre um homem e uma mulher que pretendem se casar. Segundo o Dr. Aurélio significa dentre outros, cativar, amar, cativar, atrair, cortejar, etc. Para alguns teólogos é a fase do conhecimento.

Namoricos

Atualmente, de acordo com a Região, existem muitas palavras de indicam um namorico. Flerte, paquera, esbarro, esbarrão, tapa, xaveco, ficar, etc. Entendendo que estes tipos de ajuntamento não se enquadram nos padrões ético-cristãos.

Namoros não recomendáveis

Namoro à moda mundana como fazem alguns famosos. Muitos são arranjados ou simplesmente por interesses; outros não menos perigosos como: Interesse dos pais, Cobertura financeira.

Namoro do cristão

Os namorados se relacionam compromissados visando a um futuro noivado e matrimônio dentro do modelo social familiar, priorizando um profundo amor, e nunca a paixão.

?Epístola de Paulo aos namorados?

Seria mais cômodo se o Apóstolo Paulo tivesse escrito uma Epístola aos namorados e constasse: ?O rapaz, ao atingir a maioridade e quiser namorar, deverá amar preferencialmente uma moça, membro de sua denominação cristã; em seguida comunicar o seu interesse aos seus pais, que, se de acordo, comunicará ao pastor presidente?. Seria bom? Claro que não, o melhor é o que está posto. O jovem o direito de escolha. Deus por Sua Sabedoria o paradoxo - Por Soberania faz o que quer e pelo Arbítrio o jovem escolhe.

Padrão

Alguns líderes espirituais que proíbem aos namorados andar de mãos dadas, abraçar, encontrar-se a sós, beijo na boca. Alguns limitam a idade, outros conferem a situação no rol de membros, etc. Creio que os verdadeiros guardiões devem ser os próprios pais ou seus prepostos. Eles têm maior conhecimento e podem atuar dentro das verdadeiras necessidades e nos assuntos íntimos.

Não existe um código de conduta para namorados, mas alguns princípios, se forem observados, certamente irão contribuir em muito.

Antes

? Orar a Deus para que o coração não se enamore pela pessoa errada;
? Procurar alguém que confesse a mesma fé;
? Ter cuidado com as profecias dos Vasos;
? Não desprezar conselhos dos pais.

Durante

? Ter uma vida de oração, leitura da Palavra de Deus e jejum;
? Participar de todos os eventos possíveis programados para a juventude da igreja;
? Observar horário e dias do namoro;
? Evitar ficar a sós ou em local suspeito;
? Não conversar sobre quaisquer assuntos que despertem a libido;
? Não se expor com assuntos que possam deixar desconfortável caso o namore termine;
? Solicitar ajuda aos pais ou preposto, ou o pastor responsável para assuntos de difícil decisão;
? Ser fiel e amar sinceramente, ?tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai?. Fp 4.8
? Só proceder de forma exemplar para o mundo, ?Vós sois o sal da terra... a luz do mundo?, Mt 5.13,14.
? Só tratar de assuntos relativos ao noivado quanto estiver certo da decisão de casar.

Depois

Caso venha terminar o namoro
? Não comentar com terceiros sobre o namoro;
? Não divulgar defeitos ou virtudes;
? Continuar amigos e manter o respeito como da forma anterior.

Terminando um namoro

O período de namoro é visto pela sociedade como um compromisso menos relevante do que o noivado; o que pode ser conferido ao observar a pouca repercussão resultante do seu fim. Portanto, o casal não deve continuar, se perceber que não tem motivação que o leve até o fim.



Castidade

Os namorados e os noivos devem permanecer castos até a celebração do seu matrimônio. Os que perderam a sua virgindade antes de aceitar a Cristo como Salvador, ou por outros motivos, não estão isentos deste dever; devem se guardar até à celebração do seu matrimônio. Por outro lado quando o casal se controla nas carícias sensuais acaba valorizando em muito a sua lua-de-mel. Convém fazer uma analogia das jóias preciosas que as guardamos melhor quando valem mais.
Dia dos Namorados ? é uma importante data comemorada a 12 de junho.

Amor e a Paixão

Na visão do Professor, Pr. Ivan da Silva de Souza

Amor - É controlado, É gradativo, Esfria lentamente, Não se transforma em ódio, Busca a qualidade do caráter, Apresenta-se como de fato o é, Procura dar mais do que recebe,

Paixão - É descontrolada, É súbita do início e término, Esfria subitamente, Transforma em ódio, Busca só a aparência, Não se apresenta como o é de fato, É egoísta.

O jugo desigual

O jugo, ou canga é uma peça de madeira, de formato simétrico, que se coloca no pescoço dos bois; tem cordas ou correntes amarradas para puxar o carro ou arado. A formação de juntas com animais diferentes comprometerá o seu desempenho por serem incompatíveis. A Palavra de Deus se posiciona claramente sobre a necessidade de igualdade de jugo. ?Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis? 2 Co 6.14 ?Com boi e com jumento juntamente não lavrarás? Dt 22.10. ?não permitirás que se ajuntem misturadamente os teus animais de diferentes espécies; no teu campo, não semearás semente de mistura, e veste de diversos estofos misturados não vestireis? Lv 19.19.
Avaliação de compatibilidade

Durante o período de namoro deve fazer uma séria avaliação das possíveis desigualdades. No começo do relacionamento é mais fácil fazer ajustes para evitar um maior sofrimento no futuro.
Algumas desigualdades que devem ser consideradas e tratadas
Religiosa, Profissional, Social, Cultural, Lazer, Psíquica, Física.

Pontos de vista

Primeiro ? O cristão não deve, de forma alguma, namorar ímpios. Este grupo usa como respaldo o texto de Paulo em 2 Co 6.14-17.

Segundo ? A decisão é pessoal. Cada caso é um caso. Deus pode tocar no coração do não convertido e torná-lo um verdadeiro cristão ao longo do processo.

Terceiro - Define radicalmente que a comunhão entre crente e descrente no namoro não tem nada a ver. Citam, ?De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus?, Rm 14:12.
Dizem que em toda regra há exceção, entretanto é mais seguro ficar com o primeiro grupo.

Eu dependo da graça de Deus.

E agora, José?

elenycesantos.blogspot.com




Juventude e compromisso com Deus parecem, para muitos de nós, coisas antagônicas. Temos um certo grau de dificuldade em posicionar estes dois fatos em um mesmo plano. É difícil entendermos que podemos perfeitamente ser jovens e, ao mesmo tempo, compromissados com Cristo. A grande dúvida paira neste aspecto: é possível amar a Deus e viver fiel a Ele ainda na juventude? Em Gênesis (cap.37 e 39) vemos, com o exemplo do jovem José, que podemos, ainda jovens, desfrutar de uma intimidade e de um relacionamento salvador e prático com Cristo em meio às tentações da vida comum.

Grosso modo, assim começa o drama de José. Seu pai, Jacó, o mandou ir atrás de seus irmãos para saber como eles estavam. E José foi. Andou quilômetros a pé, sozinho, em meio a morros e matas, animais selvagens. Ao chegar no destino, a fim de ver seus irmãos, em obediência, José foi surpreendido. Seus irmãos aproveitaram da situação e, como tinham inveja dele, venderam o caçula como escravo ao Egito. Nem mesmo com esta trágica façanha, José se fez inimigo de seus irmãos e nem tampouco deixou brotar amargura em seu coração contra qualquer um deles.

Será que José, um jovem, era um anjo ou alguém diferente fisicamente de nós? Veremos que não. Nota-se que José era um jovem como nós, sujeito às mesmas tentações e aos mesmos pecados.

Já no capítulo 39 José, como escravo, estava no palácio de Potifar, que era oficial do rei. E se nos dispusermos a uma pausa merecida agora para lermos o capítulo todo, veremos algo fantástico. Por várias vezes essa citação se repete: "E Deus era com José". Mas, como pode alguém tão jovem e após ter sido vendido como escravo por seus irmãos desfrutar de uma companhia tão íntima assim com Deus? Ainda tendo todas estas circunstâncias desfavoráveis, vemos que "Deus era com José". Porquê? O que José tinha de tão especial assim?

No relato do capítulo 39, vemos a posição importante de José, apesar da sua condição de escravo dentro do palácio. Além de o Senhor ser com ele, o que já bastava, Potifar ainda tudo confiava a esse moço, a ponto dele, Potifar, não comer nada sem que primeiro passasse pelo controle e aprovação de José. Noutras palavras; a saúde e, conseqüentemente, a vida desse oficial do Rei, estavam nas mãos do jovem José. Se ele quisesse envenená-lo, seria uma moleza. No entanto, não agiu desta maneira. Ao contrário, José teve um zelo muito grande para com seu senhor. José cuidava das coisas de seu senhor com diligência e sabedoria. Não se percebe em seu coração qualquer sinal de amargura contra seus irmãos, contra Potifar ou contra si mesmo, por se encontrar na condição de escravo. Isso é incrível! Afinal, José estava com sua liberdade e desejos limitados. José era apenas um jovem, porém, já era um escravo. No entanto, seu coração estava íntegro ao Senhor.

Devido à sua permanência diária no palácio, começaram a surgir alguns inconvenientes em sua vida. Inconvenientes estes, capazes de atrair a todos nós, como certamente deve ter causado um desconforto interior em José. Iniciou-se então a sedução diária e persistente da mulher de seu senhor, para que ele se deitasse com ela. Diariamente, segundo o cap. 39, José recebeu tal convite: "deita-te comigo". O pecado o chamava a todo instante e incansavelmente. Certamente, em determinados momentos, seu senhor estava longe, ausente; às vezes dormindo e seria fácil para o jovem atender os reclames da mulher. Bastava Potifar "bobear", que José poderia satisfazer os desejos da mulher e os seus carnais desejos também. Não nos esqueçamos que ele era um jovem como nós. Nossa mente, só de ler esta passagem, já monta as estratégias fatais para, caso fôssemos nós no lugar de José, consumar o convite sem que ninguém pudesse se aperceber. José estava num lugar propício para pecar. Era necessário tão somente dizer "sim" à mulher. Era questão de José entrar no quarto dela e. . . pronto. Que tentação! Que luta certamente passou José naquele momento. Mas ele não cedeu ao convite. Foi íntegro.

Após tantos convites em vão, a mulher não mais agüentou e quis pegá-lo à força. Assim diz o verso 11 que José certo dia foi resolver os negócios de seu senhor, e ninguém dos de casa se achavam presentes. Então ela, a mulher de Potifar, pegou-o pelas vestes para se deitar com ele. José, imediatamente fugiu. Fugir numa situação desta? Aqui está o centro do problema. Ou José foge ou então se rende. E agora, José? José, desta vez, não disse nada. Não abriu a sua boca e nem tentou explicar nada à mulher. E nem provar que era homem pra ninguém. Ele provou que era cristão, isto sim! Tão somente, fugiu. Para muitos de nós, o jovem foi até covarde, medroso e infantil ao fugir. Afinal de contas, correr pra quê? Mas José tinha sua mente em Deus. Sabendo da inclinação pecaminosa da sua carne, não quis dar a ela qualquer chance de sobrepor-se à sua santidade e pensou: "ou eu fujo, ou peco". Preferiu fugir. Diante dos homens, certamente um fracassado e um medroso; mas diante de Deus, um servo bom e fiel.

Aquele jovem, aparentemente inocente e vulnerável, não cedeu à sua vontade carnal. Preferiu fazer o que era reto perante Deus à satisfazer sua cobiça que, certamente, tinha sido aguçada pela atitude da mulher. Disse José à mulher de seu senhor, verso 9: "Ele não é maior do que eu nesta casa, e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher: como, pois, cometeria tamanha maldade e pecaria contra Deus?". Para José, Deus estava em primeiro lugar. Não se preocupou com ele mesmo ou com os outros. Sua mente o alertava para Deus. Ele sabia que todo pecado ofende primeiro a santidade de Deus. O que de fato o preservou de pecar, não foi outra coisa senão sua intimidade com Deus. Certamente, José foi guardado de tal pecado, pois seu relacionamento com Deus não era algo virtual ou mesmo mental e sim, experimental. Deus era com José. Maravilhoso!

Porquê Deus era com José? Vejamos a resposta no livro do profeta Isaías, cap.57, verso 15: "Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos, e vivificar o coração dos contritos." Será que a afirmativa "Deus era com José" não é porque José tinha um coração contrito e um espírito abatido? A resposta é um enfático sim! Coração contrito é um coração arrependido, que não procura se justificar, apenas reconhece seus pecados e confessa-os. Espírito abatido, não é andar com cara de coitado. É sim, aquela pessoa humilde, vazia de si mesma. É aquele homem ou aquela mulher que reconhece sua fragilidade e sua natureza pecaminosa e sabe que sem Deus ele(a) não vale nada.

Não podemos ficar somente olhando para José e imaginando-o como se ele fosse um "ET do reino"; alguém fisicamente diferente de nós. Ele era um jovem, sujeito às tentações, aos pecados e aos desejos de um jovem normal como eu e você. No entanto, ele decidiu servir a Deus de forma inigualável em sua juventude. Era uma pessoa que amava a Deus. Mas, acima de todas essas dificuldades e empecilhos que enfrentou, estava o seu compromisso com Deus e também o seu "amor de atitude" para com Ele. José, pela graça do Senhor, preferiu as coisas de Deus às da terra. Amava a Deus e provou isso quando recusou o convite para pecar, dizendo: "pecaria eu contra Deus?".

Portanto, não basta apenas nos intitularmos como cristãos e descansarmos nisto. É necessário um coração contrito, um espírito abatido, um coração que busque ao Senhor e que não abra mão da Sua palavra por nada, por convite algum deste mundo. Assim viveu José e assim podemos viver hoje também.

No caso de José, foi uma mulher que o tentou diuturnamente. Mas, em nossa vida, o que mais tem nos convidado a pecar? Qual pecado tem convidado você e eu para "deitarmos" com ele? A qual convite temos aceitado? Temos fugido ou temos pecado? Muitas vezes estamos a sós com a tentação, como José esteve. Porém, José tinha gravado em sua mente e em seu coração a palavra e a vida de Deus. E não foram outras coisas, senão estas, que o guardou de cometer tal pecado. Manteve-se íntegro e íntimo a Deus em meio às tentações. Não pensemos que intimidade com Deus é algo para experimentarmos somente na fase mais adulta ou mesmo na velhice. Não. Todos nós fomos chamados para viver como José, agora.

Portanto, é possível servir a Deus de forma fiel e de maneira correta ainda na juventude? A própria vida do jovem José responde que é perfeitamente possível.

Agora podemos entender a exortação do Apóstolo Paulo ao jovem Timóteo: "Foge, outrossim, das paixões da mocidade. Segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor." (IITm 2:22) Temos fugido das paixões da mocidade e dos pecados que tenazmente nos assediam, como exortou Paulo ao jovem Timóteo e como de fato fez o jovem José? Ou temos permanecido inertes e, às vezes, até desejando praticá-los?

Lembremos: José e Timóteo viveram a sua juventude de maneira digna do evangelho de Cristo. Será que nós não podemos viver hoje, assim também? A vida de Cristo arraigada em nós é suficiente para nos salvar e nos levar a viver em santidade ao Senhor (Hb. 12:14). 

A Maneira "Eva" de descobrir a vida.

elenycesantos.blogspot.com




"Ele levou sobre si as nossas dores, Ele levou sobre si as nossas transgressões"

Se Jesus já morreu por nós e carregou sobre Ele todas as nossas dores por que ainda continuamos a lamentar os dissabores da vida?

Será que fizemos tudo que Ele mandava? Será que o buscavamos com verdade e de todo coração?

O Senhor Jesus é misericordioso, mas a vontade Dele deve ser respeitada por que Ele sabe qual é o maior caminho a seguir. A juventude de hoje não conhece o nosso Senhor como Ele é, o Senhor Jesus não combina com as novas atitudes dos jovens, em seguir a regra do mundo "do ficar" eu fico aqui, fico ali, vou fazendo "meus testes" enquanto a vontade e os caminhos do Senhor ficam em segundo plano. Por que temos a livre escolha não é? Por que o homem caiu? exatamente por poder "escolher" o seu caminho sem Deus.

Irmãos, o grande erro está aqui em pensar que podemos escolher nossos caminhos sem a vontade e sem a orientação do Senhor.
Quando decidimos fazer da maneira "Eva" querer ser igual a Deus e poder escolher nosso caminho, só nos leva a perdição e a ruína, se não construímos nossa casa sobre a Rocha e não pedirmos a Deus sabedoria a casa vem a ruína assim como diz em Mateus 7.

"Se para Deus nada é impossível" Lucas 1,37.
Prá que temer?"

Deus é capaz de mudar o homem, Ele é capaz de transformar, Ele prova quando é preciso nos levar para seus Caminhos, algo que fizemos no passado reflete hoje no presente e as vezes não lembramos do que fizemos para estarmos na situação que encontramos hoje, praticando os mesmos erros. Devemos fazer uma revisão da nossa vida e olhar direitinho o que construimos durante nossa vida, e pedirmos ao Senhor que tenha misericórdia e nos livrar do mal, e a única maneira de conseguir isso é dobrar os joelhos perante o Criador, e do seu Filho Jesus e se humilhar durante as madrugadas, orar e estar sempre em comunhão com o Senhor sem desviar nossa atenção para o mundo, só assim poderemos conseguir a vitória no Nome de Jesus.

Que Deus os abençoe!!!

Adolescentes que aprendem na palavra de Deus

elenycesantos.blogspot.com







Adolescentes que aprendem na palavra de Deus - 1

Ao passarmos em frente de uma banca de revistas ou de uma livraria, encontramos exemplares específicos sobre determinados assuntos, por exemplo: Decoração, moda, pescaria, culinária, trabalhos artesanais e uma infinidade de outros interesses humanos. É necessário considerar que o apredizado mais importante que precisamos, só encontramos na palavra de Deus.

Só temos respostas para os nossos questionamentos mais íntimos na Bíblia. "Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, afim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança" Romanos 15:4. Na Bíblia temos aprendido sobre a salvação em Cristo. "e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus." 2ª Timóteo 3:15. "Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego;" Romanos 1:16. "Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal." 1ª Timóteo 1:15.

A Palavra de Deus:

1º - Nos ensina o que é certo e errado. "Toda a Eescritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça," 2ª Timóteo 3:16. "Porque o pecado, prevalecendo-se do mandamenrto, pelo mesmo fundamento, me enganou e me matou. Por conseguinte, a lei é santa; e o mandamento, santo, e justo, e bom." Romanos 7:11-12.

2º - Trouxe a existência das coisas. "Porque, deliberadamente, esquecem que, de longo tempo, houve céus bem como a terra, a qual surgiu da água e através da água pela palavra de Deus. 2ª Pedro 3:5.

3º - É poderosa e age nos corações. "Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir a alma espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração." Hebreus 4:12. "pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente." 1ª Pedro 1:23.

4º - Traz fé. "Como, porém, invocarão aquele em que não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?" Romanos 10:14. "E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo." Romanos 10:17.

Os principios da palavra do Senhor são válidos para todos os tempos e pessoas. Deus está comprometido com sua palavra e não deixa que nenhuma de suas promessas fiquem sem cumprir. Nos Salmos 19:8 (ler) diz que a palavra é pura e limpa, porque revela o caráter de Deus. Ainda nos Salmos 19:9-10 assegura que é doce e desejável, por isso nos faz bem.

Há pessoas que ouvem o conselho dos ímpios e acabam em caminhos errados, caindo numa maneira sútil e atraente, onde idéias aparentemente "bonitas e convidativas" são aceitas sem nenhum questionamento. A desculpa passa a ser "Todo mundo faz isso, qual é o problema?"

Não podemos nos deixar enganar por argumentos de pessoas sem base bíblica, nos oferecendo coisas falsas.

Concluindo, devemos evitar de nos associarmos com idéias mundanas, de uma sociedade sem Cristo. Mas o nosso interesse deve ser totalmente voltado para a Palavra do Senhor. Não podemos ser levados por ideologias e costumes que não tem qualquer relação com o evangelho de Jesus Cristo.