12 de dezembro de 2011

O Poder do Trono


A atividade demoníaca sempre bate em retirada onde há um exercício ativo da autoridade pelo crente. No entanto, em muitas das denominações cristãs, a inerrância da Palavra de Deus está sendo colocada em dúvida pelos principais líderes da igreja. Restam poucas instituições teológicas em que a Bíblia Sagrada ainda é reconhecida como a autêntica Palavra de Deus. Da mesma maneira, o Espírito de Deus está sendo desonrado pela falta de consideração à sua pessoa e à sua autoridade. Assim, há um retorno às condições espirituais dos incrédulos, e os poderes demoníacos estão novamente pressionando nosso país e nossa população.
Vamos lembrar freqüentemente que estamos assentados bem acima de todas as potestades do ar, e que elas estão em sujeição a nós. À medida que nossa fé aprende a usar o nome e a autoridade de Jesus Cristo, veremos as forças espirituais obedecendo de formas que nos surpreenderão. À medida que permanecemos em Cristo, nossas orações serão cada vez menos para fazer petições, e cada vez mais manifestarão o exercício de autoridade para repreender as forças das trevas nas nossas vidas e em nossas famílias.
Embora a crença assim nos introduza ao nosso lugar de poder do trono, somente a humildade garantirá que o reteremos. À medida que comparamos a graça abundante de Deus e nossa própria profunda indignidade, surge a questão, precisamos dessa advertência? Se pensamos que não há perigo algum, sabemos pouco da praga dos nossos próprios corações. As forças contra as quais lutamos nos conhecem bem melhor do que conhecemos a nós mesmos. Quando as atacamos, com pouco ou nenhum poder em uma guerra prolongada, o golpe de retorno dessas forças geralmente é rápido e esmagador. Com a estratégia desenvolvida em uma longa experiência em batalhas espirituais, elas sabem que o ataque é o melhor modo de defesa. Uma das suas armas testadas é o orgulho espiritual, e freqüentemente, demonstra ser eficaz.
A vitória sobre as potestades do ar, de Satanás para baixo, é uma possibilidade demonstrada. No entanto, sua obtenção é por meio do emprego da ajuda de Deus somente. Desde o Éden, o homem busca mostrar-se auto-suficiente. O desejo de ser independente é algo que até mesmo o coração regenerado do crente não supera totalmente. Freqüentemente, logo após algum sinal de vitória ser obtido, vem um sutil sussuro do inimigo, e o crente é rapidamente pelado de suas forças, achando que está forte.
Com humildade, pode haver audácia no Nome. A verdadeira audácia é fé em plena manifestação. Quando Deus fala, permanecer parado não é humildade, é descrença. No exercício da autoridade divina, é necessário coragem e não temer nada, somente a Deus, e estender as mãos para repreender tudo o que for armado contra o crente e sua família. No entanto, com essa coragem, precisa haver um comunhão íntima e contínua com Deus, um espírito que esteja alerta à sua vontade e uma mente firmada na Palavra de Deus.
Se o crente definitivamente aceitar seu assento e começar a exercer a autoridade espiritual que isso lhe confere, rapidamente perceberá que é um homem marcado. Embora antes ele cresse na presença e na operação dos poderes das trevas, vem agora uma nova consciência da existência e da iminência delas. Amargamente, elas se sentem incomodadas e resistem à entrada do crente em seus domínios e interferindo em suas operações. De forma implacável e maligna, concentram seu ódio contra ele em uma guerra intensa que pode não ter descanso. Se os ataques contra o espírito do crente forem resistidos com sucesso, os assaltos podem vir na mente, no corpo, na família, ou nas circunstâncias.
O lugar de privilégio especial torna-se, portanto, um lugar de especial perigo. Todavia, como o próprio Deus, com um propósito eterno em vista, introduziu seu povo nessa esfera, não podemos duvidar que tenha tomado providências para nossa proteção. O único lugar de segurança é a ocupação do próprio assento. Esse assento está "bem acima" do inimigo. Se o crente permanecer em Cristo, ficando firme pela fé em sua posição, não poderá ser tocado pelo inimigo. Conseqüentemente, o inimigo usa todas as suas artimanhas para fazê-lo cair, pois uma vez que ele esteja fora do seu assento, não é mais perigoso, e está vulnerável ao ataque.
O crente encontra uma torrente constante de acusações em seu coração. Essas acusações o conturbarão até que ele descubra que o propósito do inimigo é lança-lo contra si mesmo, e, criando um sentimento de inutilidade, fazê-lo descer do lugar da perfeita fé. Ele aprende a "vencê-lo pelo sangue do Cordeiro", isto é, apresenta o sangue como sua única resposta a essas acusaões. No entanto, aprende um uso adicional para essa provisão divina. O sangue representa não somente a limpeza da culpa e do poder do pecado, mas também é o testemunho da total vitória do Calvário. Uma vez que isso tenha sido entendido, o crente vê que não tem de lutar contra o inimigo, mas simplesmente manter sobre ele um triunfo já obtido, os benefícios do qual ele compartilha em sua plenitude.
A total compreensão não vem toda de uma vez, mas, à medida que ele mantém sua posição e exerce a autoridade, haverá um aperfeiçoamento gradual na guerra nos lugares celestiais.