23 de dezembro de 2011

O Jesus do Natal

Espera-se que, nas comemorações do nascimento de uma pessoa importante, as atenções sejam voltadas para ela. Infelizmente, porém, no Natal de Jesus, o aniversariante é o mais esquecido pela maioria das pessoas que dizem estar comemorando o seu natalício.

Nós , os cristãos, precisamos passar para o mundo o verdadeiro sentido do Natal. Mais importante do que comemorar o Natal de Jesus é tornar conhecido ao mundo o Jesus do Natal.

A deturpação do Natal

Muitos aproveitam a época natalina como oportunidade para bebedeiras, danças e até orgias. Há pais que ainda levam seus filhos pequenos a acreditar em Papai Noel, dizendo-lhes que foi o bom velhinho que lhes trouxe um presente.
Certamente, não sabem que essa figura tem origem nos países nórdicos, referindo-se a um velhinho, chamado Santo Klaus, que saía distribuindo presentes feitos em casa. O Papai Noel é mais falado, mais olhado e mais desejado do que Jesus, no coração das crianças e até de adultos, incluindo muitos crentes.
Em muitos lares cristãos pode não haver uma Bíblia aberta, por ocasião do Natal, mas, certamente, haverá uma Árvore de Natal, oriunda de lenda nórdica, do "Carvalho de Odim", deus da mitologia nórdica, cujo culto é de duvidosa natureza.
Com a Cristandade, esse elemento foi absorvido, tornando-se um símbolo do Natal.
Meditemos um pouco sobre Jesus, com base em Is 9.6., que o identifica pelo seu Nome, que é "Maravilhoso, Deus forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz".

Maravilhoso na anunciação

O anúncio do nascimento de Jesus foi maravilhoso. O mensageiro celestial, enviado à jovem Maria, de Nazaré, transmitiu a notícia jamais ouvida. O anjo Gabriel, encarregado por Deus de grandes missões, anunciou à jovem da Galiléia, que seria agraciada como mãe do Salvador do mundo, pela virtude do Espírito Santo (Lc 1.26-35). José, desposado com Maria, de igual modo recebeu a visitação de um anjo, que lhe tranqüilizou quanto ao fato de haver sua noiva ficado grávida sem que houvessem coabitado (Mt 1.21-23). Esse fato não é sequer do conhecimento de muitos que pensam estar comemorando o Natal de Jesus

. Maravilhoso no seu nascimento

Quando Jesus nasceu, muitos filhos de reis e monarcas já haviam vindo ao mundo. Entretanto, nenhum deles teve o berço cercado de tanto resplendor e glória como o menino de Belém. Enquanto sua mãe o embalava ao peito, nas cercanias da pequena cidade, um mensageiro divino anunciava o nascimento do Salvador, a um pequeno e desconhecido grupo de pastores, seguido de um coral de anjos que entoava hinos celestiais, dos quais apenas um coro ficou registrado nas páginas da Bíblia: "Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens" (Lc 2.10-14). Em lugar de louvar a Deus, muitos estão cantando músicas que exaltam o homem o diabo, nas festas ditas natalinas.

Maravilhoso no seu ministério

Os evangelhos revelam as grandes maravilhas operadas por Jesus, desde a cura de cegos, aleijados, leprosos, mancos , surdos-mudos, até à expulsão de demônios e ressuscitação de mortos, como no caso do filho da viúva de Naim, da filha de Jairo e de Lázaro, irmão de Marta e Maria. Ele operou maravilhas sobre as forças espirituais, sobre as enfermidades físicas e emocionais, bem como sobre as forças da natureza, quando acalmou tempestades, para espanto dos discípulos, que exclamaram: "Que homem é este...?" (Mt 8.27). Graças a Deus, ainda hoje, a igreja do Senhor prega que Jesus Cristo salva, cura e batiza com o Espírito Santo, nessa simplicidade desconcertante para muitos.

Conselheiro

Jesus deixou ensinos sábios para todos, envolvendo conselhos e orientações sobre os mais diversos temas e problemas da vida. Ele ensinou que o amor por ele demonstrado não se destina apenas aos amigos e familiares, que nos são gratos. Mas ensinou que devemos amar até os próprios inimigos (Mt 5.44), revolucionando todo o pensamento religioso e moral de seu tempo. Ainda hoje, torna-se difícil cumprir as "leis do Reino", proclamadas no Sermão da Montanha. Ele ensinou a humildade, a paz, a harmonia, o temor de Deus, a justiça reta, que excede à dos fariseus, o relacionamento entre pais e filhos, entre marido e mulher, tudo isso e muito mais. A igreja do Senhor tem mostrado aos homens que, para serem felizes, precisam aceitar os conselhos e ensinamentos de Jesus.

Deus forte

Deus, o Criador, é onipotente, onisciente e onipresente, entre outros atributos que lhe são inerentes. Jesus, o Emanuel, fez-se homem, despojando-se de seus principais atributos, para poder inserir-se entre os homens, encarnando o Verbo Divino. Em sua condição de Filho do Homem, sofreu as tentações e fraquezas, mas, ao ressuscitar, proclamou , dizendo: " É-me dado todo o poder no céu e na terra" (Mt 28:18). Precisamos mostrar aos governantes e ao mundo que o "poder pertence a Deus" (Sl 62.11)

Pai da eternidade


Todos os grandes homens, e os pequenos, também, passaram, e continuam a passar. Quem já foi não o é mais. Quem o é, um dia não o será. É a natureza efêmera da realidade do homem, que está destinado a nascer, viver e morrer. Entretanto, Jesus , como Deus, é eterno, sendo Pai da Eternidade, porque "Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez" (Jo 1.2,3). Só ele pode dar a vida eterna aos homens que nele crêem (Jo 5.24).

Príncipe da Paz

Os homens buscam incessantemente a paz. Os governos e as organizações internacionais se reunem em congressos e convenções, procurando a paz, através da assinatura de tratados e convênios. No entanto, as guerras continuam, com massacres e tragédias. Tudo isso porque o dono da Paz, o "Príncipe da Paz", que é Jesus, é esquecido no coração dos homens. No Natal de Jesus, a paz só pode vir, para o indivíduo, para as famílias, e para as nações, se as pessoas derem valor e aceitarem o Jesus do Natal.

Que o Senhor do Natal nos ajude a transmitir aos homens que é melhor conhecê-lo, para obedecê-lo do que simplesmente comemorar um pretenso Natal de Jesus, em que Ele, o personagem da Bíblia e da História não seja o centro das atenções. Que, nas igrejas, o Natal seja um período de festa espiritual, em que se aproveite para exaltar o nome do Senhor , convidando os pecadores para aceitar o Jesus do Natal.