12 de dezembro de 2011

A Música Que Mata



Um ataque particularmente insidioso contra nossa juventude está sendo feito por meio do Rock and Roll. A música Rock pode não ser o problema mais sério na igreja, mas está bem no topo da lista. Existem basicamente três tipos de músicas comumente apreciadas: Sacra ou cristã, mundana, que inclui a maior parte da música popular, baladas, sertanejo, Rhythm and Blues, regional, Nova Era, Rock moderno, incluindo Rock and Roll, Hard Rock, Acid Rock, Heavy Metal, e o Rock cristão.
A música Rock começou a ser difundida a partir de meados dos anos 50. Ela era acompanhada por um espírito que logo promoveu as drogas, o sexo ilícito, e as perversões. Lester Bangs, um autor secular que escreve sobre a música Rock, diz:
"O Rock contemporâneo é o gênero que mais se identificou com a violência e a transgressão, rapina e carnificina."
"O Heavy Metal orquestra o niilismo tecnológico - é o trem mais rápido para lugar nenhum, o que pode ser a razão de parecer tão bom e fazer tanto sentido aos fãs."
"As palavras realmente não importam, pois a música é a mensagem..."
A mensagem da música é clara, e acrescentar as palavras "Jesus Cristo" nas letras não faz a mínima diferença.
"Na luta entre as palavras e a música, uma luta que existe há séculos, a música mais freqüentemente domina."
O Beatle George Harrison compôs a canção My Sweet Lord [Meu Querido Senhor] para glorificar seu guru indiano possesso por demônios, que tinha Satanás como seu mestre. O Rock seguiu o caminho da degradação. O que anteriormente era mal tornou-se literalmente dominado por Satanás. O Rock moderno iniciou com o mergulho ao próprio inferno. Desde então, acrescentou a rebelião, o sexo ilícito, a perversão, a adoração a Satanás, homossexualidade, drogas, mais todas as outras formas de maldade que as trevas podem promover.
Há uma justificativa sendo usada por aqueles que promovem o "Rock cristão", ou como algumas vezes é chamado, "Música Cristã Contemporânea", que ele é necessário para atrair os adolescentes a Jesus Cristo. Esse argumento não é suportado pela evidência que muitos estão sendo salvos dessa forma. Realmente, o fato é que a música cristã contemporânea é destrutiva ao compromisso cristão dos crentes jovens, e até mesmo a muitos dos artistas. Se essa lógica fosse válida, as igrejas deveriam abrir bares e lojas de artigos eróticos para colocar a igreja e os cristãos em maior contato com os incrédulos. Isso pode parecer ridículo, mas não é menos lógico do que usar a música de Satanás para atrair pessoas a Cristo. Deus usaria os jogos de azar ou a maconha para sua glória? É possível que o Senhor use a música Rock, que há muito tempo promove as drogas, o álcool, as perversões, o satanismo, e diversas outras formas de plano satânico para desviar? Podemos limpar um pouco o Rock e usá-lo para a glória de Deus?
Os concertos de Rock cristão são piores que os do tipo secular, pois são insidiosos em suas ações. Os concertos de Rock secular pelo menos são óbvios no que representam.
As letras não mudam o conteúdo da música nem sua mensagem subliminar. A música converte a mensagem cristã em um formato de casa noturna que é inadequado para uso na igreja. Trazer um objeto imundo ao templo não santifica o objeto; pelo contrário, contamina o templo. Colocar o nome de Jesus na música Rock não santifica a música; profana o santo nome do Senhor.
Não há beleza no Rock. Ele contém apenas apelo à carne. Há uma batida hipnótica na música Rock que subjuga a vontade e coloca a mente em um estado de estupor. Essas são exatamente as condições que o ocultismo apresenta como um meio de permitir o acesso espiritual à mente humana. Os efeitos da batida do Rock são os mesmo que os do álcool e das drogas na mente. Basta observar as reações do público em um concerto de Rock para reconhecer que, para muitos, o controle racional foi totalmente perdido. Exatamente como as drogas, a música Rock abre portas para a entrada de demônios na vida da pessoa.
O conceito de usar coisas mundanas para promover o evangelho é uma praga na igreja hoje. Muitos afirmam que o Espírito Santo pode usar a psicologia, a confissão positiva, etc. A afirmação é que simplesmente por que elas não são mencionadas na Bíblia, não devem ser descartadas como instrumentos úteis. Entretanto, Deus diz:
"Não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as. Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe. Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta." [Efésios 5:11-13]