30 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo

elenycesantos.blogspot.com
Aos meus queridos visitantes desejo muitas felicidades...
Que a  esperança nasça nos que já não tem!
E aqueles que tem; que nao a perca!
2011 está indo o que você sonhou pode não ter se realizado; 
mas pode ter certeza; nao morreu junto com o ano, pois é você 
que gira a roda e o faz acontecer.

Em 2012 pede ajuda ao grande Deus porque ele realiza sonhos!

Feliz  2012



NA vida cada um de nós deixamos marcas.
Que tipo de marcas voce tem deixado?
Plante Amor e não ódio!
Seja divertido e nao carrasco!
Não inclua uma brincadeira como um cabimento mas aproveite o momento para alegrar-se.
Em 2012 Seja mais feliz.
 
By: Elenyce Santos

27 de dezembro de 2011

É errado o cristão comerciante vender bebida alcólica?

elenycesantos.blogspot.com



É ERRADO O CRISTÃO COMERCIANTE
VENDER BEBIDAS ALCÓLICAS

No Brasil, vender cerveja, principalmente em época de verão, é um negócio de retorno praticamente garantido. O calor de rachar num país de clima tropical, a força da mídia indicando-a como solução refrescante, e o convite dos amigos ao bar da esquina, faz a cerveja vender, e muito! Em uma das igrejas de nossa convenção há um irmão, o Valquer, que é proprietário de uma lanchonete razoavelmente grande e bem localizada. O irmão Valquer, por ter esse comércio, é super-criticado por muitos irmãos. Motivo? Ele vende cerveja na lanchonete, bebida que para nós, cristãos, faz parte apenas do nosso testemunho do passado. Parando de vender a loira gelada, seu lucro cai em 70%, um prejuízo apocalíptico para qualquer comerciante.

No começo ele realmente não vendia. Pregava contra. Achava errado. Queria que a lanchonete fosse só evangélica. Quase fechou. Atolado até o gogó de dívidas, às vésperas do verão, Valquer colocou na porta da lanchonete uma placa que foi a salvação: Temos Cerveja. Cartazes da redondinha, da número um e da mais vendida no Brasil, dentre outras, fizeram o irmão emergir da falência do comércio a saldar todas as dívidas e retornar a uma vida mais estabilizada. Sua lanchonete fica a um quarteirão da praia, o que faz o movimento ser, digamos, "abençoado" no verão. Valquer é um dos que mais compram cerveja no caminhão da distribuidora de bebidas. No caminhão da distribuidora trabalha um presbítero da igreja, o Sérgio. Mas por incrível que pareça, o Sérgio (que faz a mesma coisa que o Valquer - vende bebidas - só que no caminhão), não é criticado. O Valquer, por ter a lanchonete, é apontado não só por uma maioria de cristãos, como já foi chamado as conversas pelo pastor.

Qual a diferença entre o irmão Valquer e o irmão Sérgio? Ambos não vendem bebidas alcólicas? Não ganham o sustento para suas famílias do suor de seu trabalho? Qual a diferença do pecado entre um e outro? O que o irmão Valquer respondeu fez seu pastor pensar melhor e não excluí-lo da comunhão com a igreja: "-Se eu não vender cerveja na minha lanchonete, as pessoas simplesmente se dirigem a outra, compram, e bebem do mesmo jeito. E eu só fico no prejuízo. Eu sou dono de uma lanchonete e não de uma birosca, um bar, um boteco de cachaça".

Se o fato do irmão Valquer vender bebida alcólica é pecado, como fica a vida do irmão Moacir que é garçom? O irmão Moacir é um garçom profissional que trabalha no restaurante de um hotel de grande movimento o ano inteiro. A situaçào dele parece ser ainda pior. Ele tem mesmo, a pedido da casa, que estimular o freguês a consumir uma beer: "-Temos uma cerveja bem geladinha aí, vai...?" O irmão Moacir é uma bênção! Quem o conhece, sabe. Homem de oração, humilde, sincero. Arranha um portunhol e um ingrêis que garante umas gorjetas boas dos gringos para o sustento dos filhos. Estará ele em pecado?! E se ele disser ao patrão: "-Bebida alcólica eu não sirvo..." ?  No mínimo será despedido! Quem irá sustentar sua família??

Este artigo não se propõe a criar desculpas para justificar o pecado, mas destacar a realidade de irmãos que sobrevivem, em todo o Brasil, do turismo na alta temporada. Realmente a bebida alcólica não tem feito muito bem a quem exagera, mergulha no vício. Mas o objetivo de quem trabalha não é esse! E quem trabalha ou é dono de farmácia, e vende camisinhas? Estará estimulando a prostituição, o sexo fora do casamento?? Ao meu ver, tanto o dono da lanchonete, como o vendedor do caminhão de bebidas e o garçom, ou o dono da farmácia, a posição é a mesma: apenas revendem o produto. Se revender cerveja é pecado, então quem revende bíblias tem salvação garantida? E como fica o irmão que é pedreiro? Trabalhando em uma construção, para ganhar o sustento de sua família, o local pode ser destinado a uma casa de prostituição. Como fica? Ele recusará o trabalho??

É difícil encontrar tanta santidade em quem se preocupa em apedrejar o próximo. Há cristãos que não vendem bebidas, mas em seu trabalho mentem, sonegam impostos, ludibriam o cliente dizendo que "o produto é muito bom", etc. Pecados muito piores do que simplesmente revender um produto que está dentro das normas da lei. Será que quem critica esses irmãos estão seguindo todas as normas da honestidade, como "santos" ao Senhor?? Que os fatos falem por si mesmos.

"Amados, se o nosso coraçäo näo nos condena,
temos confiança para com Deus".
(1 João 3:21)

O alcoolismo a Luz da Bíblia

elenycesantos.blogspot.com

Introdução:


Antes de entrarmos no assunto, gostaria de fazer um esclarecimento: O estudo que elaborei, sobre o alcoolismo, está fundamentado na Palavra de Deus, não num rol de conceitos e preconceitos puramente humanos de uma determinada instituição religiosa. A Bíblia é universal, portanto tem uma doutrina universal em qualquer assunto de ordem moral que diz respeito aos seres humanos em qualquer cultura. Tampouco pretendo esgotar todo o assunto concernente ao alcoolismo na Bíblia, pois o mesmo é largamente discorrido e apresentado de vários pontos de vista tanto no Antigo como no Novo testamento.


1) O alcoolismo segundo o texto de Gálatas 5: 19 20 e 21.


O alcoolismo está englobado na lista das obras da carne segundo escreveu o apóstolo Paulo em Gálatas 5.19-21. Leiamos o texto: Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas a cerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus.


A palavra grega empregada neste texto para bebedices é methai, que significa literalmente bebida alcoólica e alcoolismo. O uso excessivo de bebida alcoólica causa prejuízos no corpo e na mente de quem o pratica, daí a palavra bebedices está inserida na lista das obras da carne.


Observemos, ainda, que pelo menos treze das dezesseis características listadas em Gálatas 5: 19-21, são encorajadas pelo uso excessivo do álcool. São elas: prostituição, impureza, lascívia, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, invejas, homicídios, e glutonarias. Essas características quase sempre são manifestas nos ambientes onde há o consumo excessivo de bebidas fortes, sendo às vezes em parte ou em sua totalidade. O alcoolismo também leva a diversos outros vícios, porquanto remove as inibições naturais, deixando tais indivíduos livres para praticarem coisas degradantes.
Como conseqüência o alcoolismo gera, em sua escala mais terrível, a morte espiritual conforme declara o apóstolo no final do texto: cerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.


2) Advertências acerca do alcoolismo.


2.1 - Pv. 23.20a Não estejais entre os beberrões de vinho... Esta passagem nos adverte a não estarmos entre os que praticam o alcoolismo.


2.2 - Is 5.11 Ai dos que se levantam pela manhã, e seguem a bebedice, e se demoram até à noite, até que o vinho os esquente. A advertência neste texto é mais severa. Observe a interjeição Ai no início do versículo, ela denota uma reprimenda divina contra os bêbados. Essa interjeição não é usada na Bíblia dando idéia de condenação como sentença final, mas para descrever a miserável condição daqueles que estão sendo descritos, em especial nesta passagem os bêbados.


1.3 Lc 21.34 Acautelai-vos por vós mesmos, para que não aconteça que os vossos corações se sobrecarreguem de glutonarias, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e aquele dia vos pegue de surpresa, como uma armadilha.
Neste ponto temos a maior das preocupações o ser pego de surpresa na volta repentina de Cristo. A expressão aquele dia no presente texto, fala-nos do arrebatamento da igreja, data tão esperada por todos os fiéis discípulos do Senhor Jesus.


3) O que o alcoolismo produz:


Analisemos o texto de Provérbios 23. 29,30: Seis perguntas, seis questionamentos que nos leva a uma profunda reflexão sobre este assunto.


3.1 Para quem são os ais? (reprimenda censura etc.). Os problemas causados pelo alcoolismo são de ordem pessoal, familiar, moral, e social.




3.2 Para quem os pesares? (aborrecimentos, aflições, dissabores, etc.). São os constrangimentos pelo emprego perdido, endividamento, lar destruído, filhos desamparados e outras mazelas.


3.3 Para quem as pelejas? (contendas, intrigas, discussões intermináveis, etc.). Geralmente as pelejas envolvem todos que estão ao redor do indivíduo. Mas o prejuízo maior é desse indivíduo. Quantos não perderam a própria vida ou tiraram a vida de outrem num momento de embriagues?


3.4 Para quem as queixas? Depois de toda farra vem o arrependimento. Pra não falar dos que foram prejudicados pela falta de responsabilidade do beberrão, como é o caso da esposa, ou do esposo, dos filhos, dos patrões etc.


3.5 Para quem as feridas sem causa? Essas feridas são de ordem moral, espiritual e física. Às vezes são profundas, tanto para o embriagado como para os que o cercam. Quantos prejuízos irreparáveis, quantos lares abandonados, filhos desamparados, homicídios, suicídios enfermidades incuráveis, e outras mazelas provocadas pelo álcool?


3.6 Para quem os olhos vermelhos? (olhar vago, face avermelhada, aparência de bêbado). O alcoolismo é uma coisa má que traz prejuízos irreparáveis, torturas pessoais, desprezo por parte da sociedade. Produz pobreza e desgraças.


4) O castigo pelo alcoolismo.


Nos tempos da Lei de Moisés, os filhos rebeldes, obstinados e beberrões, eram por seus pais lavados na presença dos anciãos, que eram uma espécie de magistrado, os quais eram julgados e condenados a serem mortos apedrejados.


O tempo da Lei mosaica passou, Jesus cumpriu toda a lei e inaugurou a era da graça a qual vivemos nos dias atuais, mas o castigo àqueles que se desviam pelos caminhos do alcoolismo é ainda mais severo, não só o corpo está sujeito a destruição, mas principalmente a alma.


Não erreis, nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o Reino de Deus(1Co 6:9).


Que Deus em Cristo Jesus nos conceda mais e mais da sua Graça.

MALEFÍCIOS DA BEBIDA ALCOÓLICA

elenycesantos.blogspot.com



ALGUNS MALEFÍCIOS DA BEBIDA ALCOÓLICA NO VELHO TESTAMENTO

          A Bíblia descreve a histórias de vários homens que se envolveram com as bebidas alcoólicas. Alguns eram maus, mas outros eram homens de fé e comissionados por Deus. O fato de alguns desses homens terem bebido não nos coloca na liberdade de fazermos o mesmo. O grande salmista Davi foi um homem ricamente abençoado e devemos fazer de tudo para sermos também chamados de “homens segundo o coração de Deus”. Todavia, não devemos pensar em adulterar só porque a Bíblia relata essa triste fraqueza de Davi (Livro de Samuel). Deus permitiu e relatou a queda de Davi para que nós tirássemos lições e não fizéssemos o mesmo. Vejamos alguns desses casos:
- O CASO DE NOÉ: A Bíblia descreve os maus efeitos da bebida embriagante na história de Noé (Gn.9:20-27). Ele plantou uma vinha, fez a vindima, fez vinho embriagante e bebeu. Isso o levou à embriaguez, à imodéstia, à indiscrição e a  tragédia familiar em forma de uma maldição imposta sobre Canaã.
- O CASO DE LÓ E SUAS FILHAS: Nos tempos de Abraão, o vinho embriagante contribuiu para o incesto que resultou na gravidez das filhas de Ló (Gn.19:31-38).
- O CASO DOS FILHOS DE ARÃO: Nadabe e Abiú entraram no templo com seus incensários, mas por terem bebido bebidas fortes saiu fogo de diante do Senhor e os consumiu (Lv.10). Deus ainda chamou os seus sacrifícios de “fogo estranho”.
- OS PROFETAS E SACERDOTES NA ÉPOCA DE ISAÍAS: “Mas também estes cambaleiam por causa do vinho, e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, estão tontos do vinho, desencaminham-se por causa da bebida forte; erram na visão, e tropeçam no juízo (Is.28:7).
 

ALGUNS MALEFÍCIOS DA BEBIDA ALCOÓLICA  NO NOVO TESTAMENTO

 
- A EMBRIAGUEZ DOS CORÍNTIOS: A Igreja que Paulo havia recém formado em Corinto estava, por falta de conhecimento, cometendo alguns sacrilégios. Eles estavam usando vinho fermentado na Santa Ceia e isso não agradou nem a Deus, nem o apóstolo (ICor.11:21). Paulo disse que isso não era digno de nenhum louvor (ICor.11:17), mas sim de grande vergonha. Isso foi chamado de comer e beber indignamente ( ICor.11:29). Foi causa de mortes antes do tempo de alguns cristãos (ICor.11:30). Esse é o lucro de uma Igreja que deixa que se introduza tamanha maldade em seu meio.
- A BEBIDA ALCOÓLICA NA IGREJA DE ÉFESO: Na Igreja dos efésios havia, provavelmente, um grupo de crentes que não haviam recebido o batismo com o Espírito Santo e Paulo descreve o motivo em Ef.5:18: “E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito,”. Esse grupo de irmãos achava normal beber e ser cristão, mas a prova que isso é impossível é bradada por Paulo: “não vos embriagueis”. O Espírito não fica onde há sujeiras e embriaguez.
 
O VINHO USADO NA CEIA DO SENHOR
         No tocante à Ceia do Senhor os três primeiros escritores dos Evangelhos empregam a expressão “fruto da vide” (Mt.26:19; Mc.14:25; Lc.22:18). O vinho não fermentado é o único “fruto da vide” verdadeiramente natural , contendo aproximadamente 20% de açúcar e nenhum álcool. A fermentação destrói boa parte do açúcar e altera aquilo que a videira produz. O vinho fermentado não é produzido pela videira.
         O Senhor instituiu a Ceia quando Ele e seus discípulos estavam celebrando a Páscoa. A lei da Páscoa em Êx.12:14-20 proibia, durante a semana daquele evento, a presença de “seor” (Êx.12:15), palavra hebraica para fermento ou qualquer agente fermentador. Seor, no mundo antigo, era freqüentemente obtido da espuma espessa da superfície do vinho quando em fermentação. Além disso, todo o “hametz”, ou seja, qualquer coisa fermentada era proibido (Êx.13:7; Êx.12:19). Deus dera esta lei por ser a fermentação o símbolo da corrupção e pecado (ICor.5:7-8), sendo exatamente isso o que causa a bebida alcoólica no Homem.
         No Antigo Testamento, bebidas fermentadas nunca deviam ser usadas na casa de Deus, e um sacerdote não podia chegar-se a Deus em adoração se tomasse bebida embriagante (Lv.10:8-9). Jesus Cristo foi o Sumo Sacerdote de Deus no novo concerto, e chegou-se a Deus em favor do seu povo (Hb.3:1). Sendo Ele Sacerdote e conhecedor da Lei de Deus é lógico que podemos entender que ele não tomou nenhuma bebida alcoólica e que o vinho da Ceia era puro e sem álcool.  (Bíblia Pentecostal c/ algumas alterações).
 
A GLÓRIA DE JESUS MANIFESTA ATRAVÉS DO VINHO         
         Em João capítulo dois, vemos que Jesus transformou água em “vinho” nas bodas em Caná. Que tipo de vinho era esse? A resposta deve ser determinada pelos fatos contextuais e pela probabilidade moral. Acreditamos piamente que Jesus fez o mesmo vinho da Ceia, sem nenhum álcool. O objetivo desse milagre foi manifestar a sua glória (Jo.2:11), de modo a despertar a fé pessoal e a confiança no Senhor Jesus como filho de Deus, santo e justo, que veio salvar o seu povo do pecado (Mt.1:21). Sugerir que Cristo manifestou a sua divindade como filho Unigênito de Deus (Jo.1:14), mediante uma festa de bebedeira, visto que cada talha (Jo.2:6) comportava por volta de 120 litros (vezes seis teríamos a quantia de 720 litros), sem contarmos o que já havia sido consumido. Se o vinho fosse embriagante seria mais que suficiente para todo mundo sair trançando as pernas e caindo pelas ruas, o que não ocorreu. Leiamos: Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho (ou fermentado), quando resplandece no copo e se escoa suavemente(Pv.23:31). É claro que essa passagem santa e que simboliza a transformação do homem não poderia ser feita com uma bebida alvoroçadora. O Senhor conhecia muito bem os textos bíblicos que condenam o vinho embriagante (Pv.20:1), bem como as palavras de Habacuque 2:15-16: Ai daquele que da de beber ao seu próximo, adicionando à bebida o seu furor, e que o embebeda para ver a sua nudez! Serás farto de ignomínia em lugar de honra; bebe tu também, e sê como um incircunciso; o cálice da mão direita do Senhor se chegará a ti, e ignomínia cairá sobre a tua glória.
         Poderíamos citar também o testemunho da medicina moderna que condena veemente todo tipo de consumismo alcoólico. Mesmo em pequena escala a bebida pode causar sérios danos a saúde. As mulheres mais jovens podem ter o seu sistema reprodutivo danificado, provocando abortos e nascimentos de bebês com defeitos mentais e físicos, isso ocorre mesmo em mulheres que consomem o álcool socialmente.
         Veja a estatística que saiu na “Revista Veja” de dezembro de 1998.
EXAMES DE DOSAGEM ALCOÓLICAS EM CADÁVERES MOSTRAM QUE A MORTE VIOLENTA FREQÜENTEMENTE É PRECEDIDA DE UNS GOLES A MAIS (PERCENTUAL DE VÍTIMAS FATAIS EM QUE FORAM ENCONTRADAS DOSAGENS ALCOÓLICAS):
Afogamentos ___________________ 64%
Atropelamentos ______________ 53%
Homicídios _________________ 52%
Acidentes de Carro __________ 51%
Quedas Fatais __________ 36%
Suicídios ______________  36%
 Dadosdo Instituto Médico Legal de São Paulo  
Acreditamos que o Senhor sabia disso e não iria aprovar o consumo de tais bebidas.
 SÓ É PECADO O EMBRIAGAR-SE, MAS BEBER COM MODERAÇÃO NÃO!
 Essa tem sido a desculpa mais esfarrapada que já vi, visto quando um crente quer dar seus “golezinhos”. Sistemas evangélicos dos mais tradicionais tem se escondido atrás de astuta cilada do diabo, alegando que os irmãos podem beber, é só não se embriagarem. Mas o que diz a Palavra de Deus, pois é só ela que nos interessa. Vejamos então os versículos em que a Palavra nos veta esse malefício:
“ Ai daquele que dá de beber ao seu próximo, adicionando à bebida o seu furor, e que o embebeda para ver a sua nudez! Serás farto de ignomínia em lugar de honra; bebe tu também, e sê como um incircunciso; o cálice da mão direita do Senhor se chegará a ti, e ignomínia cairá sobre a tua glória” (Hb.2:15-16).
“Mas também estes cambaleiam por causa do vinho, e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, estão tontos do vinho, desencaminham-se por causa da bebida forte; erram na visão, e tropeçam no juízo” (Is.28:7).
“Não é dos reis, ó Lemuel, não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte; para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o direito de quem anda aflito” (Pv.31:4-5).
“O vinho é escarnecedor, e a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar não é sábio” (Pv.20:1).
“Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho (fermentado), quando resplandece no copo e se escoa suavemente” (Pv.23:31).
“Beberão, e cambalearão, e enlouquecerão, por causa da espada, que Eu (o Senhor) enviarei entre eles” (Jr.25:16).
         Os textos acima falam por si só e nos deixa claro quanto a vontade de Deus em relação a bebida alcoólica. Entretanto vamos ainda falar do sacerdócio cristão.
  O SACERDÓCIO CRISTÃO
Falou também o Senhor a Arão, dizendo: Não bebereis vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da revelação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso pelas vossas gerações, não somente para fazer separação entre o santo e o profano, e entre o imundo e o limpo,(Lv.10:8-10).
         De acordo com o texto de Levítico nenhum sacerdote deveria beber bebidas alcoólicas, a fim de desempenhar suas funções sacerdotais diante de Deus. A pergunta é: Isto é também para a Igreja de Jesus? Leiamos: Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (IPe.2:9). O apóstolo Pedro está falando a respeito da Igreja de Jesus e notem que ela é chamada de “sacerdócio real”. Deus levantou uma Igreja sacerdotal, ou seja, intercessora que ora em favor do mundo. E é claro que o nosso Deus que da Lei trouxe a graça não mudou seus padrões de santidade e requer de nós as mesmas coisas. Vejamos ainda: “...e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai, a Ele seja glória e domínio pelos séculos dos séculos. Amém” (Ap.1:6).
“...e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra” (Ap.5:10).
         Quando aceitamos o Senhor Jesus como sendo nosso único salvador nos tornamos sacerdotes de Deus. E como tais devemos agir e cumprirmos a sua Palavra “Não bebereis vinho nem bebida forte”.
         Em nossa cidade temos várias casas de recuperação de alcoólatras e muitas delas não são religiosas. Em conversa com alguns que lideram essas casas fiquei surpreso com as suas convicções. Eles me disseram que uma das maiores hipocrisias da sociedade e o “beber socialmente”. Disseram-me que todo alcoólatra começou com um pequena dose de uma bebida  fraca, como a cerveja por exemplo. Alguns até gostariam que fosse crime o consumo dessas bebidas, visto que  fazem mais mal que outras drogas proibidas.
         Como cristão, ao ouvir esses depoimentos, fiquei mais convicto que devemos nos abster desse veneno que é a bebida. Como sacerdote de Deus, não tenho dúvidas, e o álcool não entra na minha boca. Meu ministério sacerdotal não pode ser quebrado por esse repugnante vício. Você que é servo de Deus não deve se envolver com esse mal e sim tirar os que nele estão envolvidos. Ainda que a doutrina de sua “Igreja” permita tal mal a Palavra de Deus é mais forte que todas as doutrinas humanas. E digo mais, se sua igreja aceita o “beber socialmente” sai dela, pois Deus não está se agradando disso.
O ESPÍRITO SANTO
         Acredito que o poder do Espírito Santo te revelará toda verdade e lhe dará força para você ficar longe das bebidas alcoólicas. Liberdade não é poder beber, fumar, prostituir, ... e tantas outras coisas, mas por opção escolher não fazer nada disso. O LIBERTO ele se abstém de tudo que pode lhe fazer mal e observa a Palavra de Deus. Saiba que o poder do Espírito Santo está em você para te fazer mais do que vencedor.
Filhinhos , vós sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é aquele que está em vós (o Espírito Santo) do que aquele que está no mundo (IJo.4:4).
 
BIBLIOGRAFIA
A Bíblia Pentecostal, CPAD; Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas, Ed. Vida; Manual Bíblico, Halley.
autor

MALEFÍCIOS DA BEBIDA ALCOÓLICA

elenycesantos.blogspot.com



ALGUNS MALEFÍCIOS DA BEBIDA ALCOÓLICA NO VELHO TESTAMENTO

          A Bíblia descreve a histórias de vários homens que se envolveram com as bebidas alcoólicas. Alguns eram maus, mas outros eram homens de fé e comissionados por Deus. O fato de alguns desses homens terem bebido não nos coloca na liberdade de fazermos o mesmo. O grande salmista Davi foi um homem ricamente abençoado e devemos fazer de tudo para sermos também chamados de “homens segundo o coração de Deus”. Todavia, não devemos pensar em adulterar só porque a Bíblia relata essa triste fraqueza de Davi (Livro de Samuel). Deus permitiu e relatou a queda de Davi para que nós tirássemos lições e não fizéssemos o mesmo. Vejamos alguns desses casos:
- O CASO DE NOÉ: A Bíblia descreve os maus efeitos da bebida embriagante na história de Noé (Gn.9:20-27). Ele plantou uma vinha, fez a vindima, fez vinho embriagante e bebeu. Isso o levou à embriaguez, à imodéstia, à indiscrição e a  tragédia familiar em forma de uma maldição imposta sobre Canaã.
- O CASO DE LÓ E SUAS FILHAS: Nos tempos de Abraão, o vinho embriagante contribuiu para o incesto que resultou na gravidez das filhas de Ló (Gn.19:31-38).
- O CASO DOS FILHOS DE ARÃO: Nadabe e Abiú entraram no templo com seus incensários, mas por terem bebido bebidas fortes saiu fogo de diante do Senhor e os consumiu (Lv.10). Deus ainda chamou os seus sacrifícios de “fogo estranho”.
- OS PROFETAS E SACERDOTES NA ÉPOCA DE ISAÍAS: “Mas também estes cambaleiam por causa do vinho, e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, estão tontos do vinho, desencaminham-se por causa da bebida forte; erram na visão, e tropeçam no juízo (Is.28:7).
 

ALGUNS MALEFÍCIOS DA BEBIDA ALCOÓLICA  NO NOVO TESTAMENTO

 
- A EMBRIAGUEZ DOS CORÍNTIOS: A Igreja que Paulo havia recém formado em Corinto estava, por falta de conhecimento, cometendo alguns sacrilégios. Eles estavam usando vinho fermentado na Santa Ceia e isso não agradou nem a Deus, nem o apóstolo (ICor.11:21). Paulo disse que isso não era digno de nenhum louvor (ICor.11:17), mas sim de grande vergonha. Isso foi chamado de comer e beber indignamente ( ICor.11:29). Foi causa de mortes antes do tempo de alguns cristãos (ICor.11:30). Esse é o lucro de uma Igreja que deixa que se introduza tamanha maldade em seu meio.
- A BEBIDA ALCOÓLICA NA IGREJA DE ÉFESO: Na Igreja dos efésios havia, provavelmente, um grupo de crentes que não haviam recebido o batismo com o Espírito Santo e Paulo descreve o motivo em Ef.5:18: “E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito,”. Esse grupo de irmãos achava normal beber e ser cristão, mas a prova que isso é impossível é bradada por Paulo: “não vos embriagueis”. O Espírito não fica onde há sujeiras e embriaguez.
 
O VINHO USADO NA CEIA DO SENHOR
         No tocante à Ceia do Senhor os três primeiros escritores dos Evangelhos empregam a expressão “fruto da vide” (Mt.26:19; Mc.14:25; Lc.22:18). O vinho não fermentado é o único “fruto da vide” verdadeiramente natural , contendo aproximadamente 20% de açúcar e nenhum álcool. A fermentação destrói boa parte do açúcar e altera aquilo que a videira produz. O vinho fermentado não é produzido pela videira.
         O Senhor instituiu a Ceia quando Ele e seus discípulos estavam celebrando a Páscoa. A lei da Páscoa em Êx.12:14-20 proibia, durante a semana daquele evento, a presença de “seor” (Êx.12:15), palavra hebraica para fermento ou qualquer agente fermentador. Seor, no mundo antigo, era freqüentemente obtido da espuma espessa da superfície do vinho quando em fermentação. Além disso, todo o “hametz”, ou seja, qualquer coisa fermentada era proibido (Êx.13:7; Êx.12:19). Deus dera esta lei por ser a fermentação o símbolo da corrupção e pecado (ICor.5:7-8), sendo exatamente isso o que causa a bebida alcoólica no Homem.
         No Antigo Testamento, bebidas fermentadas nunca deviam ser usadas na casa de Deus, e um sacerdote não podia chegar-se a Deus em adoração se tomasse bebida embriagante (Lv.10:8-9). Jesus Cristo foi o Sumo Sacerdote de Deus no novo concerto, e chegou-se a Deus em favor do seu povo (Hb.3:1). Sendo Ele Sacerdote e conhecedor da Lei de Deus é lógico que podemos entender que ele não tomou nenhuma bebida alcoólica e que o vinho da Ceia era puro e sem álcool.  (Bíblia Pentecostal c/ algumas alterações).
 
A GLÓRIA DE JESUS MANIFESTA ATRAVÉS DO VINHO         
         Em João capítulo dois, vemos que Jesus transformou água em “vinho” nas bodas em Caná. Que tipo de vinho era esse? A resposta deve ser determinada pelos fatos contextuais e pela probabilidade moral. Acreditamos piamente que Jesus fez o mesmo vinho da Ceia, sem nenhum álcool. O objetivo desse milagre foi manifestar a sua glória (Jo.2:11), de modo a despertar a fé pessoal e a confiança no Senhor Jesus como filho de Deus, santo e justo, que veio salvar o seu povo do pecado (Mt.1:21). Sugerir que Cristo manifestou a sua divindade como filho Unigênito de Deus (Jo.1:14), mediante uma festa de bebedeira, visto que cada talha (Jo.2:6) comportava por volta de 120 litros (vezes seis teríamos a quantia de 720 litros), sem contarmos o que já havia sido consumido. Se o vinho fosse embriagante seria mais que suficiente para todo mundo sair trançando as pernas e caindo pelas ruas, o que não ocorreu. Leiamos: Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho (ou fermentado), quando resplandece no copo e se escoa suavemente(Pv.23:31). É claro que essa passagem santa e que simboliza a transformação do homem não poderia ser feita com uma bebida alvoroçadora. O Senhor conhecia muito bem os textos bíblicos que condenam o vinho embriagante (Pv.20:1), bem como as palavras de Habacuque 2:15-16: Ai daquele que da de beber ao seu próximo, adicionando à bebida o seu furor, e que o embebeda para ver a sua nudez! Serás farto de ignomínia em lugar de honra; bebe tu também, e sê como um incircunciso; o cálice da mão direita do Senhor se chegará a ti, e ignomínia cairá sobre a tua glória.
         Poderíamos citar também o testemunho da medicina moderna que condena veemente todo tipo de consumismo alcoólico. Mesmo em pequena escala a bebida pode causar sérios danos a saúde. As mulheres mais jovens podem ter o seu sistema reprodutivo danificado, provocando abortos e nascimentos de bebês com defeitos mentais e físicos, isso ocorre mesmo em mulheres que consomem o álcool socialmente.
         Veja a estatística que saiu na “Revista Veja” de dezembro de 1998.
EXAMES DE DOSAGEM ALCOÓLICAS EM CADÁVERES MOSTRAM QUE A MORTE VIOLENTA FREQÜENTEMENTE É PRECEDIDA DE UNS GOLES A MAIS (PERCENTUAL DE VÍTIMAS FATAIS EM QUE FORAM ENCONTRADAS DOSAGENS ALCOÓLICAS):
Afogamentos ___________________ 64%
Atropelamentos ______________ 53%
Homicídios _________________ 52%
Acidentes de Carro __________ 51%
Quedas Fatais __________ 36%
Suicídios ______________  36%
 Dadosdo Instituto Médico Legal de São Paulo  
Acreditamos que o Senhor sabia disso e não iria aprovar o consumo de tais bebidas.
 SÓ É PECADO O EMBRIAGAR-SE, MAS BEBER COM MODERAÇÃO NÃO!
 Essa tem sido a desculpa mais esfarrapada que já vi, visto quando um crente quer dar seus “golezinhos”. Sistemas evangélicos dos mais tradicionais tem se escondido atrás de astuta cilada do diabo, alegando que os irmãos podem beber, é só não se embriagarem. Mas o que diz a Palavra de Deus, pois é só ela que nos interessa. Vejamos então os versículos em que a Palavra nos veta esse malefício:
“ Ai daquele que dá de beber ao seu próximo, adicionando à bebida o seu furor, e que o embebeda para ver a sua nudez! Serás farto de ignomínia em lugar de honra; bebe tu também, e sê como um incircunciso; o cálice da mão direita do Senhor se chegará a ti, e ignomínia cairá sobre a tua glória” (Hb.2:15-16).
“Mas também estes cambaleiam por causa do vinho, e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, estão tontos do vinho, desencaminham-se por causa da bebida forte; erram na visão, e tropeçam no juízo” (Is.28:7).
“Não é dos reis, ó Lemuel, não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte; para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o direito de quem anda aflito” (Pv.31:4-5).
“O vinho é escarnecedor, e a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar não é sábio” (Pv.20:1).
“Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho (fermentado), quando resplandece no copo e se escoa suavemente” (Pv.23:31).
“Beberão, e cambalearão, e enlouquecerão, por causa da espada, que Eu (o Senhor) enviarei entre eles” (Jr.25:16).
         Os textos acima falam por si só e nos deixa claro quanto a vontade de Deus em relação a bebida alcoólica. Entretanto vamos ainda falar do sacerdócio cristão.
  O SACERDÓCIO CRISTÃO
Falou também o Senhor a Arão, dizendo: Não bebereis vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da revelação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso pelas vossas gerações, não somente para fazer separação entre o santo e o profano, e entre o imundo e o limpo,(Lv.10:8-10).
         De acordo com o texto de Levítico nenhum sacerdote deveria beber bebidas alcoólicas, a fim de desempenhar suas funções sacerdotais diante de Deus. A pergunta é: Isto é também para a Igreja de Jesus? Leiamos: Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (IPe.2:9). O apóstolo Pedro está falando a respeito da Igreja de Jesus e notem que ela é chamada de “sacerdócio real”. Deus levantou uma Igreja sacerdotal, ou seja, intercessora que ora em favor do mundo. E é claro que o nosso Deus que da Lei trouxe a graça não mudou seus padrões de santidade e requer de nós as mesmas coisas. Vejamos ainda: “...e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai, a Ele seja glória e domínio pelos séculos dos séculos. Amém” (Ap.1:6).
“...e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra” (Ap.5:10).
         Quando aceitamos o Senhor Jesus como sendo nosso único salvador nos tornamos sacerdotes de Deus. E como tais devemos agir e cumprirmos a sua Palavra “Não bebereis vinho nem bebida forte”.
         Em nossa cidade temos várias casas de recuperação de alcoólatras e muitas delas não são religiosas. Em conversa com alguns que lideram essas casas fiquei surpreso com as suas convicções. Eles me disseram que uma das maiores hipocrisias da sociedade e o “beber socialmente”. Disseram-me que todo alcoólatra começou com um pequena dose de uma bebida  fraca, como a cerveja por exemplo. Alguns até gostariam que fosse crime o consumo dessas bebidas, visto que  fazem mais mal que outras drogas proibidas.
         Como cristão, ao ouvir esses depoimentos, fiquei mais convicto que devemos nos abster desse veneno que é a bebida. Como sacerdote de Deus, não tenho dúvidas, e o álcool não entra na minha boca. Meu ministério sacerdotal não pode ser quebrado por esse repugnante vício. Você que é servo de Deus não deve se envolver com esse mal e sim tirar os que nele estão envolvidos. Ainda que a doutrina de sua “Igreja” permita tal mal a Palavra de Deus é mais forte que todas as doutrinas humanas. E digo mais, se sua igreja aceita o “beber socialmente” sai dela, pois Deus não está se agradando disso.
O ESPÍRITO SANTO
         Acredito que o poder do Espírito Santo te revelará toda verdade e lhe dará força para você ficar longe das bebidas alcoólicas. Liberdade não é poder beber, fumar, prostituir, ... e tantas outras coisas, mas por opção escolher não fazer nada disso. O LIBERTO ele se abstém de tudo que pode lhe fazer mal e observa a Palavra de Deus. Saiba que o poder do Espírito Santo está em você para te fazer mais do que vencedor.
Filhinhos , vós sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é aquele que está em vós (o Espírito Santo) do que aquele que está no mundo (IJo.4:4).
 
BIBLIOGRAFIA
A Bíblia Pentecostal, CPAD; Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas, Ed. Vida; Manual Bíblico, Halley.
autor