11 de novembro de 2011

QUEM DEVE SER DIZIMISTA ?

Você pode se perguntar como alguém pode dar uma coisa que não tem, já que o dar vem antes de receber.

Ora, estamos falando de um assunto extremamente espiritual e de pessoas também espirituais " ... o homem espiritual discerne a coisas do espírito..." Falo de pessoas salvas, crentes, pois o dízimo é uma doutrina para crentes, e você só o entregará ao Senhor, quando tiver se dado a Ele.

Entregamos tudo a Deus: problemas, doenças, desequilíbrio financeiro, nossa vida pecaminosa, mas quando o assunto é o bolso, a coisa aperta e penso que a última coisa que o crente entrega para o Senhor é o controle financeiro da sua vida, porque as demais, desde o primeiro dia abrimos mãos. Não vejo forma mais desafiadora do que esta, de mostrar a Deus que Ele é realmente o Senhor de toda a nossa vida, sendo um dizimista fiel.

O servo não tem posses, mas utiliza e reconhece que os bens de que desfruta é do seu Senhor, e na hora da colheita, retira com alegria a parte do Senhor da terra. Da mesma forma, o bom filho reconhece que todos os bens pertencem ao pai, mas que pode usufruir de tudo, e em nada querer usurpar dos bens que é do pai, por ter o direito de uso. Isto é ser inteligente, e se somos realmente remidos através do sacrifício e pelo sangue de Cristo, devemos lutar para preservarmos esta amizade, e de forma alguma iremos desejar roubar o nosso Senhor, pois tudo a Ele pertence, a terra e tudo que nela existe.

E porque sabemos e reconhecemos isto, é que é devemos com certeza lutar para sermos bons administradores, e se fizermos isto saberemos reconhecer e devolveremos com alegria tudo ou parte do tudo que Ele, o nosso Senhor nos confiou. Diante disso percebemos que Deus não espera nada, de pessoas que nada querem com Ele.

Os seus objetivos são claros e serão plenamente alcançados, através de pessoas comprometidas integralmente com Ele. Em uma boa família, onde os laços de amizade constituem uma realidade, o pai conta primeiro com o filho, para juntos realizarem um empreendimento qualquer. Nunca procura primeiro os de fora. Portanto assim como o pai confia no potencial do filho, é dever deste filho colaborar com o pai, agradá-lo, servi-lo, pois todas as coisas do pai serão dEle.

E o pai sabe realmente dos recursos do filho e se ele pode ajudá-lo ou não em seus planos. Não há como ser bom crente se não armarmos e nos interessarmos pelos planos e objetivos de Deus, o nosso Pai, e desprezarmos a nossa responsabilidade, para com a evangelização mundial, local e pessoal, ou com o sustento da obra através da qual fomos salvos, edificados e transformados e porque não dizer estruturados segundo o plano e propósito de Deus.

Não podemos, como família de Deus, deixarmos passar despercebida a nossa participação nesse processo de fidelidade, através do qual a obra do Pai caminhará e chegará onde nós não podemos ir com os nossos pés. Porém pessoas poderão ir onde Deus quer que elas cheguem, mas para que isto ocorra, tem que haver o sustento, o alimento, e a despensa é a Igreja. Se ela não tiver como enviar e sustentar, estamos falhando, pois é um de seus deveres institucionais.

Se ela tem e não envia, é certo que Cristo, que é o cabeça da Igreja, exercerá os seus meios para que isso ocorra. É por esta e outras razões que afirmo que o dízimo é para pessoas comprometidas, convertidas a Deus, de corpo, alma e espírito, e que realmente o amam e desejam a sua volta. Estes, sim, são os que devem ser dizimistas. Se você não se enquadra nesta condição, saiba que o que Deus quer primeiro de você é o seu coração.

Se o homem entregar totalmente a Deus o seu coração, entregará juntamente o seu tesouro. Mas não se esqueça: você só poderá dar algo a Deus se primeiro tiver se dado a Ele, e saiba que nós nunca receberemos nada, se do céu não nos for dado.