11 de novembro de 2011

ENTRISTECIDOS MAS ALEGRES

A Tristeza era bela, mas sua beleza era com o a beleza do luar, quando passa através dos ramos dasa árvores na mata e forma pequenas poças de prata pelo chão.
Quando a Tristeza cantava, suas notas soavam como o doce e suave gorgeio do rouxinol, e em seus olhos havia aquele ar de quem cessou de esperar pela vinda da elegria. Ela sabia, compadecidamente, chorar; mas alegrar-se com os que se alegram era-lhe desconhecido.
A Alegria era linda também, e a sua beleza era como a beleza radiante de uma manhã de verão. Seus olhos ainda traziam o riso alegre da meninice, e em seus cabelos pousava o brilho do sol. Quando a Alegria cantava, sua voz se lançava aos ares como a da cotovia, e seus passos eram como os passos do vencedor que jamais conheceu derrota. Ela podia alegrar-se com os que se alegram, mas chorar com os que choram era-lhes desconhecido.
'Nós nunca podemos estar unidas", disse a Tristeza pensativa.
"Não, nunca". E ops olhos da Alegria ficaram sérios, quando respondeu. "O meu caminho atravessa campos ensolarados; as roseiras mais lindas florescem quando eu passo, para que as colha, e os melros e tordos esperam minha passagem, para derramar seus mais alegres trinados".
"O meu caminho,", disse a Tristeza, afastando-se vagarosamente, "atravessa a mata sombria; minhas mãos só podem encher-se das flores noturnas. Contudo, toda a beleza e valor que a noite encerra me pertencem" Adeus, Alegria, adeus".
Quando ela acabou de falar, ambas tiveram consciência de uma presença próxima; indistinta, mas com um aspecto de realeza. E uma atmosfera de revrência e santidade as fez ajoelharem-se perante ele.
"Eu O vejo como o Rei da Alegria", murmurou a Tristeza, "pois sobre a Sua cabeça estão muitas coroas, e as marcas das Suas mãos e pés são sinais de uma grande vitória. Diante dEle toda a minha tristeza está-se transformando em amor e alegria imortais, e eu me dou a Ele para sempre".
"Não, Tristeza", sussurrou a Alegria, "eu O vejo como o Rei da dor; sua coroa é de espinhos, e as marcas das Suas mãoe e pés são marcas de uma grande agonia. Eu tambbém me dou a Ele para sempre, pois a tristeza com Ele deve ser muito mais doce do que qualquer alegria que eu conheco".
"Então, nele, nós somos uma, exclamaram ecom júbilo; "pois somente Ele poderia unir Alegria e Tristeza".
De mãos dadas, saíram elas para o mundo, para segui-lO na tempestade e na bonança, na deslolação do inverno e na alegria do verão, "entristecidos , mas sempre alegres".(Extraído de Mananciais no Deserto.
www.elenycesantos.blogspot.com