30 de outubro de 2011

Ser solteiro: Erro ou missão



Temos em nossa cultura algumas coisas que simplesmente não sabemos como tratar: reator nucleares, inflação, pornografia e, talvez o mais difícil de tudo, pessoas solteiras.
Os solteiros. Que enigma! Essas criaturas incomuns, sem marido ou esposa. O que dizer-lhes? Como manter uma conversa com alguém destituído e socialmente aleijado? Você tem pena delas? Deve encorajá-las? Ignorá-las? Nossa cultura é construída de tal modo ao redor do lar que os que se acham fora dele…. são como um avião sem hangar (voam alto, mas não tem para onde ir em meio a tempestade).
Certa vez, antes de casar-me, fiz uma visita a minha antiga faculdade. Encontrei uma porção de velhos amigos, amigos casados, professores, ex-colegas, ministros, antigas namoradas. A reação deles à minha “solteirice” foi engraçada: “Não encontrou ainda a garota certa?” perguntaram. “puxa, Max, sinto muito”, disseram como se eu estivesse fracassado na vida. Alguns tinham um pouco mais de tato: “Como vai sua vida social?” (o que eles queriam realmente era um relatório completo sobre a minha vida amorosa).
“Ótima”, eu respondia. (Tinha prazer em deixá-los no ar).
“Oh…” ficavam encabulados. E depois terminavam com palavras um tanto mais discretas: “E as noites de sábado?” – perguntavam com um piscar de olhos.
Outros sentiam pena de mim. Vários colocaram o braço em volta de meus ombros ou tomaram gentilmente minha mão (como se eu tivesse uma doença terminal) e confidenciaram: “Deus tem alguém esperando por você, Max. Não se preocupe” (Senti até um leve esfregar no dedo “sem aliança”…)
Eu sei que as pessoas têm boas intenções. Mas, sinceramente, o estado de solteiro é realmente uma doença? Vida e significado só se encontram no altar? Não há lugar no hotel para aqueles que dentre nós dormem sozinhos?
Jesus sugeriu que o estado de solteiro era mais que aceitável. De fato ele o chamou de dom, embora não seja para todos, apenas para alguns. (Leia Mateus cap.19 v. 11 e 12). Um dom que encoraja a se dedicar exclusivamente ao Senhor.
O cristão solteiro não deveria então ser considerado como sofredor de impotência espiritual, mas como alguém que possui um dom peculiar. Eu me sentia grato pelo meu “dom” de solteirice. Deus decidiu um dia trocar o meu dom por uma esposa. Sou grato e continuo a servi-lo. Mas, acredite ou não, é possível viver alegre e voltar satisfeito para casa sozinho.
Na verdade, permanecer solteiro não é tão mal como dizem. Essa condição poderia ser de fato parte de um plano.
I Corintios 7.32-35Gostaria de vê-los livres de preocupações. O homem que não é casado preocupa-se com as coisas do Senhor, em como agradar ao Senhor. Mas o homem casado preocupa-se com as coisas deste mundo, em como agradar sua mulher, e está dividido. Tanto a mulher não casada como a virgem preocupam-se com as coisas do Senhor, para serem santas no corpo e no espírito. Mas a casada preocupa-se com as coisas deste mundo, em como agradar seu marido. Estou dizendo isso para o próprio bem de vocês; não para lhes impor restrições, mas para que vocês possam viver de maneira correta, em plena consagração ao Senhor.”

Extraído da obra de Max Lucado – em seu livro MOLDADO POR DEUS